By Elaine Averbuch Neves

Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania. Depende de quando e como você me vê passar.

– Clarice Lispector -

domingo, 21 de agosto de 2011

Olá Queridos(as)!!!! Hoje é domingo!!! Dia de curtir a família, os amigos e....se preparar pra....2ªF !!! Quando inicia tudo novamente!!! É o ciclo da vida queridos(as)!! Vamos percorrê-lo com alegria, esperança, pois....

Adoro quando recebo a visita de vocês!!!!
A sua presença faz meu mundo girar.... de felicidade!!!!

Bem, queridos(as), falando de mundo, falaremos sobre a vida, de uma maneira geral, através do texto que segue. 
O Paradoxo De Nosso Tempo
Mensagem de GEORGE Denis Patrick CARLIN (12 maio 1937/22 junho 2008), Humorista, ator e autor norte-americano, pioneiro, com Lenny Bruce, no humor de crítica social. Um dos ícones da contra-cultura dos anos setenta. Sendo este texto, na verdade, de autoria do Dr. BOB MOOREHEAD,  ex-pastor de Overlake de Seattle Igreja Cristã, aposentando-se após 29 anos no cargo. O Texto  circulou na Internet como de autoria de George Carlin.
Este é o texto completo:
O paradoxo do nosso tempo pode ser exemplificado pelo fato de que:
Temos construções e monumentos cada vez maiores, porém, comportamentos pessoais onde a temperança é cada vez menor, rodovias mais largas, porém, visão cada vez mais estreita.
Gastamos mais, mas possuímos menos, compramos mais, mas desfrutamos menos.
Temos casas maiores, mas famílias menores, mais conveniências, porém, menos tempo.
Possuímos mais diplomas, porém, menos bom senso, mais conhecimento, porém, menos discernimento, mais especialistas e, ainda assim, mais problemas, mais medicamentos, porém, menos bem estar.
Bebemos demais, fumamos demais, gastamos sem critério, sorrimos pouco, dirigimos perigosamente, nos irritamos gratuitamente, vamos dormir tarde demais, acordamos cansados demais, lemos de menos, assistimos televisão demais, e oramos muito raramente.
Multiplicamos nossas posses, mas reduzimos nossos valores.
Falamos demais, amamos de menos, e odiamos com facilidade.
Aprendemos como construir um patrimônio, mas não uma vida feliz.
Conseguimos acrescentar anos às nossas vidas, mas não vida aos nossos anos.
Conseguimos chegar até a Lua e retornar, mas temos dificuldade em atravessar uma rua para dar as boas vindas a um vizinho recém chegado.
Conquistamos o espaço sideral, mas não o nosso espaço interior.
Conseguimos feitos cada vez maiores, mas não necessariamente melhores.
Somos capazes de despoluir o ar, mas poluímos nossas almas.
Domamos o átomo, mas não os nossos preconceitos.
Escrevemos demais, mas aprendemos de menos.
Nos acostumamos a correr, mas não a esperar.
Construímos computadores maiores, capazes de armazenar mais informações, mas nos comunicamos cada vez menos.
Vivemos o tempo da refeição rápida e da digestão lenta, de homens grandes, porém de pequeno ou pouco caráter, de altos lucros, porém de relacionamentos superficiais.
Esta é a era das viagens rápidas, das fraldas descartáveis, da moral difusa, do “ficar” por um dia, de corpos obesos e de pílulas capazes de tudo; da euforia à depressão e à morte.
É um tempo em que as prateleiras se encontram abarrotadas e as despensas vazias.
Lembre-se de passar mais tempo com aqueles seus entes queridos, pois eles não vão estar ao seu lado para sempre.
Lembre-se de dizer uma palavra de carinho a quem olha para você com admiração, pois, aquela criança vai crescer muito rapidamente e partir para construir sua própria vida.
Lembre-se de dar um abraço fraterno a teu próximo, pois, para ele será como receber um presente valioso e a ti não custará um centavo.
Lembre-se de dizer “Eu te amo” para tua(teu) esposa(o) e teus filhos, mas faça-o com sentimento e não apenas mecanicamente. Um beijo, um abraço tem poder de cura quando emanam do fundo do coração.
Encontre sempre tempo para amar, para falar e compartilhar teus pensamentos com aqueles que te são caros.
E NÃO ESQUEÇA JAMAIS
A vida não é medida pela freqüência da tua respiração, mas pelos momentos que te fazem prender a respiração em deslumbramento. Ou A vida não é medida pelo número de respirações que você dá, mas pelos momentos em que tiram o seu fôlego.”

Passado é memória; Futuro é projeção e o Presente é (temporariamente) Realidade.
Lembrem-se, as mudanças acontecem “De dentro pra fora”

Nenhum comentário: