By Elaine Averbuch Neves

Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania. Depende de quando e como você me vê passar.

– Clarice Lispector -

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Olha o Samba aí, gente!!!

02/12 – Dia Nacional do Samba
Hoje é Dia Nacional do Samba. O ritmo é patrimônio cultural do país, mas no passado já provocou perseguições policiais e prisões. Para escapar da repressão os sambistas se refugiavam dentro de trens e a batucada sobre trilhos virou uma tradição carioca.
Osvaldo Cruz, subúrbio carioca, estação que se tornou parada obrigatória do trem do samba.
Os Poetas da Batucada, sambistas que fizeram do samba uma obra de arte, Mestres como Cartola, Noel Rosa e Moreira da Silva,
transformaram a música brasileira ao introduzir o jeito de falar do povo e episódios cotidianos nas canções. 
Nada melhor para entender a cultura brasileira do que o samba; as lendas, as histórias, os costumes. Tudo está ali, nas letras, que parecem crônicas cantadas, um gênero carregado de lirismo e originalidade, de malandragem e sensibilidade, que documentava a vida no morro e descrevia as agruras do amor que, pela simplicidade de sua sofisticação, atraiu os intelectuais, desceu do morro  e ganhou o mundo, sem nunca perder as raízes.
Noel Rosa foi o 1º Mestre Brasileiro da palavra cantada.
A partir de descobertas de viajantes portugueses no século XVIII, em Angola e no Congo, o etnólogo Câmara Cascudo descobriu três tipos de dança que continham a base do ritmo que originou os sambas brasileiros. Estas danças são: a Dança da Umbigada, a de Pares e a de Roda. Essa música e essas danças foram trazidas para o Brasil pelos escravos. Dos nomes e das ramificações desse ritmo africano temos hoje o Tambor de Crioula no Maranhão; o Bambelô, no Rio Grande do Norte; o Côco, o Milindo, o Piauí  e o Samba no Ceará e na Paraíba; o Côco de Parelha Trocada, o Côco Solto, o Troca Parelha ou Côco Trocado, o Virado e o Côco em Fileira em Pernambuco; o Samba de Roda e o Batebaú na Bahia;
O Jongo, o Samba-lenço, o Samba Rural e o Samba de Roda em São Paulo; o Caxambú, o Jongo, o Samba e o Partido Alto, no Rio de Janeiro.
 
O 1º samba gravado no Brasil  foi Pelo Telefone, em 1917, escrito por Mauro de Almeida e Donga, que sempre freqüentou rodas de samba e candomblé.
Na década de 1930, os grandes sambistas e compositores foram: Noel Rosa, autor de Conversa de Botequim; Cartola, de As Rosas não falam; Dorival Caymmi, de O que é que a Baiana tem?; Ary Barroso, de Aquarela do Brasil  e  Adoniran Barbosa, de Trem das Onze.
Nas décadas de 1970 e 1980, surgiu uma nova geração de sambistas: Paulinho da Viola, Jorge Aragão, João Nogueira, Beth Carvalho, Elza Soares, Dona Ivone Lara, Clementina de Jesus, Chico Buarque, João Bosco e Aldir Blanc.
Correndo o risco de omissão por descuido ou esquecimento, outros importantes sambistas de Todos os Tempos: Pixinguinha, Ataulfo Alves, Carmen Miranda, Elton Medeiros, Nélson Cavaquinho, Lupicínio Rodrigues, Aracy de Almeida, Demônios da Garoa, Isaura Garcia, Candeia, Elis Regina, Nélson Sargento, Clara Nunes, Wilson Moreira, Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolim e Lamartine Babo, entre outros....
Os tipos de samba mais conhecidos são os da Bahia, do Rio de Janeiro e de São Paulo.
O samba baiano é influenciado pelo Lundu e Maxixe, com letras simples, balanço rápido e ritmo repetitivo. Já o Samba de Roda, surgido na Bahia no século XIX, apresenta elementos culturais afro-brasileiros.
No Rio de Janeiro, o Samba está ligado à vida nos Morros, sendo que as letras falam da vida urbana, dos trabalhadores e das dificuldades da vida de uma forma amena e muitas vezes com humor.
Em São Paulo o Samba ganha uma conotação de mistura de raças. Com influência italiana, as letras são mais elaboradas e o sotaque dos bairros de trabalhadores ganha espaço no estilo do Samba de São Paulo.
O dia foi escolhido, segundo a lenda, após a visita de Ary Barroso ao território baiano, onde foi homenageado pelo vereador Luis Monteiro da Costa. A homenagem foi baseada no samba “Na Baixa do Sapateiro” onde Ary Barroso reverencia Salvador.
Esta é a homenagem do Blog a todos os Sambistas do Brasil!!! Parabéns!!!


Temos hoje ainda:

Dia da Astronomia e do Astrônomo

Dia Nacional das Relações Públicas

Dia Panamericano da Saúde
Fontes:
 Já que é Dia Nacional do Samba, gente, nada melhor do que um bom samba-enredo pra aquecer os tamborins, acelerar o coração e soltar o samba no pé!!  Abaixo, os links de uma pequena seleção de sambas-enredo.  Afastem a mobília e vamos lá! Ziriguidum!!!!

Salgueiro – Explode coração!

Império -Bumbum Paticumbum Prugurundum

Mocidade – Sonhar não custa nada

Mangueira – Atrás da Verde e Rosa só não vai quem já morreu!

Estácio – O Ti ti ti do Sapoti

“A mesma rocha que bloqueia o caminho poderá funcionar como um degrau.”  – Osho  -  Filósofo Indiano --
Lembrem-se, as mudanças acontecem “De dentro pra fora!”














10 comentários:

Felipa disse...

Brasil, terra de calor e samba, e eu aqui à lareira, cheiinha de frio...!
Bj

ELAINE disse...

Obrigada pelo comentário carinhoso! Bjão!

Yan Klovinsk disse...

Oi Elaine agora tu podes me seguir.
Abraços
Yan

Glória Maria - Fadinha disse...

Que post bacana amiga. Eu pessoalmente sou fã número um do saudoso Cartola. Bom fim de semana. Carinhos

ELAINE disse...

Yan e Gloria! Obrigada pelo comentário e pelo carinho! Bjão!

Raquel Leal disse...

Que delícia de informação, super cultura heim! Adorei! Beijocas e amei a sua visita tá?!

Rosa Teo Olin disse...

oi flor, o Brasil é o País do Samba. O samba é muito bonito.
E vc está bem? Um fim de semana abençoado pra ti tbm bjsss
http://glamouremestilobyrosaolin.blogspot.com

Helena Castelli disse...

E se eu partir, não chore. Volto no primeiro passo do samba.

Diego Herminio

Grata por seu carinho!
Beijosss

Ana Jardim disse...

Oi Elaine,
Que post mais lindo e cultural amiga! adorei. Tenha um lindo e abençoado final de semana,
bjus

ELAINE disse...

Raquel, Rosa, Helena e Ana! Muito obrigada pelos comentários carinhosos! Fim de semana iluminado pra vocês! Bjão!