By Elaine Averbuch Neves

Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania. Depende de quando e como você me vê passar.

– Clarice Lispector -

sábado, 8 de outubro de 2011

Blogando... Nordestando...

08/10 – Dia do Nordestino
Este é o momento ideal para se refletir sobre a realidade de uma região notadamente marcada por uma cultura plural e ao mesmo tempo autêntica, com uma identidade em constantes mudanças e que contribui bastante para a interação entre as regiões brasileiras, além de ser um povo bem receptivo, apesar de marcado pelo sofrimento.
Não se pode negar a influência dos nordestinos para a construção do Brasil, haja visto que compõem aproximadamente 30% da população nacional e, muito diferente do que se pensa em outras partes do país, ainda estão longe de corresponder "as imagens" de que são um povo sofrido e que convivem apenas com fome e seca. 
Então, para quem é nordestino de sangue, de cultura e de coração, parabéns por uma data tão especial para um povo muito especial.
Afinal, ser nordestino é representar a fibra de um povo persistente e batalhador.
E que não somente hoje, mas que todos os dias do ano sejam datas especiais para mostrar o orgulho da cultura regional de nosso país.
Sejamos reconhecidos dos valores e da rica cultura que os nordestinos só acrescentaram e acrescentarão a esse caldeirão miscigenado chamado Brasil.
Viva o dia do nordestino. Viva o orgulho de ser nordestino e brasileiro!!!
Uma homenagem ao nordestino através da música Luar do Sertão, composta por Catulo da Paixão Cearense e João Pernambuco, em 1914, mas que ganhou grande destaque a partir da interpretação de Luiz Gonzaga e Milton Nascimento. Clique no link abaixo e escute
http://www.youtube.com/watch?v=IU4A3TVYhkQ
Poesia linda, de Luiz Gonzaga de Moura, exaltando o Nordeste:
Exaltação ao Nordeste
Eita,Nordeste da peste,
Mesmo com toda sêca
Abandono e solidão,
Talvez pouca gente perceba
Que teu mapa aproximado
Tem forma de coração.
E se dizem que temos pobreza
E atribuem à natureza,
Contra isso, eu digo não.
Na verdade temos fartura
Do petróleo ao algodão.
Isso prova que temos riqueza
Embaixo e em cima do chão.
Procure por aí a fora
"Cabra" que acorda antes da aurora
E da enxada lança mão.
Procure mulher com dez filhos
Que quando a palma não alimenta
Bebem leite de jumenta
E nenhum dá pra ladrão
Procure por aí a fora
Quem melhor que a gente canta,
Quem melhor que a gente dança
Xote, xaxado e baião.
Procure no mundo uma cidade
Com a beleza e a claridade
Do luar do meu sertão.
Fontes:
Lembrem-se, as mudanças acontecem “De dentro pra fora!”





2 comentários:

Clara disse...

Olá, vim retribuir sua visita ao meu blog...
E viva o povo nordestino!!!!

Obrigada, querida!
Beijossss

ELAINE disse...

Volte sempre! Vou ficar muito feliz!
Grande bjo!!
Elaine